quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Poema


[s/i/c]


Uma idéia


Passei a noite pensando uma idéia.

Era tão obsedante que eu não ouvia

o rumor do vento nos galhos da goiabeira.

Não tinha mais filhas.

De uma prece, não lembraria.

Ou se lembrasse, a prece cairia

no fosso, antes de atravessar a muralha.


Fiquei nu com essa idéia.

Ela roubou meu corpo.

Retirou minha necessidade de água.

Fumou todos os meus cigarros.

Ocupou meu sono como

uma girafa chama o olho da criança no zôo.


Pus-lhe sob vários prismas.

Olhei-a com as pernas presas ao trapézio.

Mas ela revidava lá, abaixo

e engolia fogo.

Tentei em vão extingui-la;

cresceu, labareda.


Retorceu o meu passado

e dele coou café e insônias.

Mas quando pensei tomá-la na mão

—como se toma o lápis ou a seda—

ela me disse que não, sem rastros.


Então, a borra da noite cedeu à luz inevitável.

A clara manhã é bem-vinda.





10 comentários:

  1. Rapaz, é disso que falo quando falo de poesia. Isso salva a língua, que é a função mais alta.

    Abraço,

    ResponderExcluir
  2. ó tem um esse a menos no texto, amigo.

    ResponderExcluir
  3. grato, amigo kelsen,

    já pus o "s" nos 'prismas'.

    que é que se é sem os outros?

    apenas uma idéia que nem chega a ser pensada.

    valeu,

    abs.

    * * *

    obrigado, mariana. 'tava sentindo sua falta, sua danada. se é q. v. é a mesma mariana, aluna da gabi, q. já me escreveu uma vez.

    bjs.

    p.s. - desculpe me referir a v. sempre como "a aluna da gabi", mas é q. ñ sei seu sobrenome. me diga da próxima! [rs.] o de minha filha é [mariana cardeal] de carvalho. ela não levou o meu vasconcelos, q. o sobrenome de minha mãe. carvalho é o nome da família de meu pai.


    * * *

    bom, odorico, o poema é simples. mas é também - e tão obviamente, como revela o itálico do último verso - em resposta àquela bela postagem de hoje no 'dessincronizado'. peirce é realmente alguém para ser ler com atenção. aliás, tanto citação quanto comentário atingiram aquele grão, aquela mostarda q. se espera da escrita: precisão! parabéns!

    abs.

    ResponderExcluir
  4. mariana fontenele12/12/08 10:10 AM

    oi, ruy, sou eu mesm: aluna da gabi. estou sempre por aqui..
    o meu sobrenome é mariana fontenele braga, mas eu prefiro o fontenele que é o da família de mamãe.
    bjs.

    ResponderExcluir
  5. "de" mamãe? por acaso v. é do cariri? [rs.]

    bjs.

    ResponderExcluir
  6. rs..
    sou de fortaleza mesmo!

    ResponderExcluir
  7. ah, bom, mariana fontenele, por um instante pensei q. v. era do sul do estado. posso tentar um outra hipótese, então. duas aliás: 1. sua família é de lá; 2. seu namorado é de lá.

    me responda, então. nos últimos tempos eu ñ tenho acertado nada mesmo. a gente tem de arriscar, né? [rs] veja a gabi, por exemplo. às vezes eu acho q. ela é do interior. mas é só porque ela leu tanto o 'grande sertão', q. às vezes fala com o sotaque do 'grande sertão'. está vendo?

    bjs. e grato por passar por aqui.

    ResponderExcluir
  8. ruy,
    a mamãe nasceu em "passagem do onça". é um sertão que fica em viçosa do ceará. mas ela saiu de lá tão cedo que já perdeu o sotaque. eu é que adoro um sertão. gosto das pessoas, dos sons, dos cheiros..
    Vez por outro vou por lá. Deve ser por isso..
    bjos.

    ResponderExcluir