quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Nos dias em que o céu não seja mais que muro


Agnes Martin, Harbor N 1, 1959



Ao modo de uma antiga balada


Sê para mim
um porto seguro
nos dias em que
o céu não seja
mais que muro

Sê para mim
a piscina calma
em que a fateixa
do corpo possa
ancorar a alma

Sê para mim
água de gamboa
sob pleno mangue
mergulhar-se inteiro
onde nada soa

Sê para mim
angra e cava
espaço de pouso
ainda que breve
para quem passava



* * *

2 comentários: