terça-feira, 27 de novembro de 2012

Mano Menezes: sobre o inoportuno da demissão e a sonoridade do nome Guardiola




primeiro, a demissão de Mano Menezes é um alívio. Segundo, a imprensa especializada revela-se um bocado boboca, sem ideias, quando se constata o modo como analisa a demissão – em geral, taxando-a de inoportuna. Ou então, aferindo-a pela afabilidade do ex-técnico ou as conveniências das fontes já sedimentadas, próximas a ele. E que, em boa parte, eles irão perder. E terão de reconstituir, etc. Terceiro: seria ótimo se o boato sobre a vinda de Guardiola tivesse um fundo de verdade

sobre os pontos 2. e 3. - já que 1. é o óbvio: 

a imprensa devia regozijar-se, porque num período sem muito assunto de futebol, dezembro e janeiro, terá um verdadeiro boi-de-piranha: especular sobre quem será o novo técnico da Seleção. Logo, não foi nada inoportuna, mas até mesmo estratégica, a data escolhida pela CBF. Findaram os amistosos do ano, demite-se o técnico. O óbvio teria sido demiti-lo logo na mudança de comando, já com o outro nome na bucha¹

por seu turno, argumentar que o futuro treinador só irá beneficiar-se do trabalho de Mano é um truísmo e uma inverdade. Como se por conta de algum mínimo padrão de jogo ou uma ou outra vitória recente, sempre contra adversários de segunda linha, fossem então esquecidas as deficiências, as derrotas em competições importantes - sobretudo a Copa América - e as péssimas estatísticas da era Menezes²

querer, aliás, que um técnico não se beneficie do trabalho do anterior, é exigir que ele comece rigorosamente do zero. O que não existe. Em nenhum ramo de atividade. Aqui, aparentemente, boa parte da crônica esportiva mais contestadora - nomes como PVC, Juca Kfouri ou André Rizek - misturam política com eficiência. Pode ser que Menezes represente algum avanço político - que, de resto, não vislumbramos bem onde está. Porém, concretamente, nenhum avanço desportivo

agora, o que existem são técnicos capazes de armar um time. Dotar-lhe de um padrão de jogo e de um instinto competitivo. Ou então, capazes de ler uma partida. Ou, no intervalo, fazer o time voltar melhor, mais organizado e aguerrido para o segundo tempo. Apto a voar em campo. Coisas que Mano não conseguiu em dois anos. Assim como não conseguiu bater nenhum adversário mais respeitável. Bem ao contrário de Dunga. E os progressos foram pífios. Também ao contrário de Dunga. E se a tendência de copiar a longevidade europeia fosse para ser seguida á risca, melhor mesmo era que Dunga tivesse prosseguido. Mas Dunga era demasiado brusco e impaciente com a imprensa no sem-razão das coletivas

não se entra no mérito de quem compõe a CBF. Ninguém cheira bem por ali. Muito menos Andrés Sánchez. E vê-lo longe, sem chances de assumir a entidade, é também um quadro a desejar. Porque entre maus necessários e uma faxina geral, não custa nada sonhar com a última. Sonhar ainda é livre. Além disso, qualquer coisa que apequene o excessivo poder de barganha do Corinthians é bem-vindo. O time é a menina dos olhos da Rede Globo e do PT. Não é pouca coisa. Mas o Brasil necessita é de um maior espírito federativo, inclusive no futebol. E logo, o modelo devia preocupar-se em desconcentrar, justo o que não tem sido feito. Ou seja, nos contratos televisivos o que se vê é uma desmedida (e predatória) valorização das cotas de times do Sudeste/Sul, o que debilita ainda mais os do restante do país

como se não bastasse, houve um rebaixamento geral de importância do próprio Campeonato Brasileiro. Ele é visto, hoje, muito mais como trampolim para a Libertadores e, logo, para o Mundial de Clubes. Não devia ser assim: os méritos de ser campeão brasileiro merecem, de algum modo, serem dissociados da Libertadores e ganharem vida própria, pois são coisas distintas

por fim, seria bom se Guardiola viesse ensinar um pouco de futebol brasileiro para a gente. Genial mesmo. Deixaria no prejuízo todos esses retranqueiros de plantão: Muricy, Abel, Tite, Felipão, Luxemburgo... Técnicos resultadistas, pragmáticos, ultrapassados. O confronto mais constrangedor em favor de europeus contra brasileiros que já assisti na vida: os 4x0 e a atitude geral do Barcelona diante do Santos há um ano. Pareciam profissionais jogando contra a várzea: o que foi aquilo? Uma ocasião em que o futebol brasileiro foi humilhado, batido com brilhantismo e de muito. Isso não se vê todo dia, aliás

a vinda de Guardiola iria de encontro a procedimentos desagradáveis mas mais estabelecidos que mão de vaca na gastronomia popular. Ou mesmo transformados em rotina. Como a convocação de jogadores apenas para valorizar-lhes a venda ao exterior. Assim como outros vícios e más posturas ligados ao jogo em si: excessiva "malandragem"; preocupação com cavar faltas, cartões, com pressionar o juiz; obsessão por volantes brucutus ou os tais jogadores "táticos" (como nos últimos tempos Thiago Neves); uma certa incapacidade para lançar talentos da base; o monopólio de jogar sempre em contrataques, não ter saída de bola de pé em pé, não operar por trocas de passe; acomodar-se inevitavelmente após magra vantagem no placar, e legar ao adversário o protagonismo do ataque; dispensar demasiada importância a detalhes secundários, tais como comemorações coreografadas, ou a vida privada dos atletas extra-campo, ou o corte de cabelo, as tatuagens e cores das chuteiras, etc. Enfim, é preciso recobrar foco: e reconcentrar-se na essência: jogar bola. Fazíamos isso bem, faz um tempo

e, nesse rumo, dos males o menor: Guardiola tem esse nome meio Coca-cola que parece radiola, vitrola, esmola, padiola, carambola. Um nome que está prestes a incorporar a própria bola. A circunscrevê-la. Um nome, de alguma forma, esférico, long-play, perto da gente

Guardiola parece talhado para desafios épicos. E ele - que já foi treinado no final de sua carreira de jogador, quando esteve no Qatar, por Pepe (José Macia, ex-Santos) - aprecia isso. E nem por sombras, em clubes ingleses - azeitados a petrodólares, xeiques, magnatas russos ou escroques do gênero - acharia um desafio maior do que levar o Brasil ao sexto título jogando em casa

um tanto improvável. Deve ficar entre Tite e Felipão. Mas a conferir. Embora qualquer rebotalho, e mesmo a pior hipótese - um Felipão, retornado sem melhores ideias, depois de despedido de um time que caiu para a segunda divisão - parecem melhores que Mano. Embora, quanto à filosofia geral da coisa - resultados e estatísticas a parte - seja apenas trocar seis pela metade dos apóstolos 

ou prosseguir com a escola gaúcha à frente do Scratch



_____________________________
¹A CBF, que originalmente havia programado a divulgação dos nomes da nova comissão técnica para janeiro, antecipou-a para 30 de novembro de 2012 - três dias depois da redação deste artigo.
²E, aqui, é mais fácil, então, desvalorizar competições, como se existisse apenas a Copa do Mundo. E a Copa América - que é o campeonato continental entre seleções mais antigo do planeta - devesse ser visto como um torneiozinho de várzea. Ou algo espúrio se comparado à Eurocopa. E porque Mano Menezes, o técnico que supostamente era um índice de modernidade - uma vez que havia sido posto ali por alguém de esquerda, Andrés Sánchez, numa carcomida federação guiada por direitistas com conexões com a ex-ditadura - entendeu que a Copa América era para ser disputada sem nenhum afã de ganhar, etc. Ora ao Brasil, tenha sua federação dominada por direitistas ou esquerdistas, mais ou menos corruptos, exige-se uma ética: entrar para competir forte e ganhar. E não sair batido de campo depois do desastre, sem contorno, de haver perdido quatro pênaltis numa quarta de final

Nenhum comentário:

Postar um comentário